Introdução

Arkia Organização Inteligente

Uma organização na qual seus processos estão integrados de ponta a ponta com seus fornecedores, prestadores de serviços, funcionários e clientes, podendo assim responder com inteligência as necessidades de seus consumidores, as oportunidades de negócios e as ameaças externas.

 

Dimensões de um Organização Inteligente

 Uma organização inteligente se concentra em atividades prioritárias e que são mais importantes para seu sucesso e desempenho, usando uma rede integrada de parceiros para gerenciar as atividades em que tem vantagem relativa.

Foco 

Requer uma visão de como a organização deve evoluir e que papel, à longo prazo, deve ser de responsabilidade da organização. Ela exige uma proposição de valor que está claramente definida para seus clientes e outras partes envolvidas, com uma compreensão de que a organização possa ganhar significativas vantagens comparativas.

 

Significa, também, realizar parcerias onde os outros possam ser mais eficientes, lidar em escala com maior qualidade, muitas vezes a custos finais menores do que os internos.

 

A escolha geral em que focar varia entre Organizaçãos e é determinada usando fatores, como: histórico do Organização, a experiência dos funcionários, as competências disponíveis, o contexto da Organização e de Organizações competidoras, incluindo fatores macro-econômicos e as políticas adotadas.

 

No contexto destas decisões de foco mais amplas, as Organizações precisam também olhar para as oportunidades de terceirizar funções de apoio que tradicionalmente, foram administradas internamente. Ao invés de tentar ser o “melhor da sua classe” em todos os segmentos, as Organizações estão descobrindo que podem melhorar o apoio em funções como compras, administração de recursos humanos e finanças entre outras, transferindo-as a terceiros que decidiram buscar excelência dentro de suas competências.

 

O foco possibilita às Organizações criar eficiência num ambiente atormentado por desafios, mantendo investimentos em áreas selecionadas ao invés de espalhar os recursos escassos em várias atividades que poderiam ser prestadas por fornecedores externos. O foco aumenta a qualidade dos serviços prestados e percebidos pelos clientes. O foco otimiza os recursos usados através da redução de custos, feita pela melhoria dos processos, e aumenta a arrecadação, por meio de atividades econômica com maior potencial. O foco otimiza o uso de capital diminuindo a posse de ativos que não são necessários e por fim, o foco auxilia na redução dos riscos de processos, devido à especialização das Organizações em áreas mais críticas, deixando áreas secundárias, à terceirização de empresas especializadas nas respectivas atividades.

 

Organizações inteligentes são capazes de se adaptar rapidamente às mudanças imprevisíveis causadas por alterações na atividade dos consumidores, ações de competidores, condições de trabalho causadas por desequilíbrios na oferta de produtos e serviços necessários, alterações regulamentares, dentre outros fatores.

 

Ser responsivo requer ter uma visão de perto das mudanças que podem influenciar a Organização. Não se trata apenas de ter informação precisa, em tempo real e, agregadas de todas as áreas, mas também ter a capacidade de analisar os dados e tomar em tempo real decisões que influenciam os serviços prestados. Uma Organização responsiva é capaz de personalizar serviços para atender às necessidades específicas dos seus clientes. Capacidade de resposta próativa significa reunir feedbacks sobre o desempenho para obter novas idéias de mudança.

 

Por fim, ser responsivo aumenta a receita da Organização, introduzindo rapidamente novos serviços ou vantagens que são necessárias para seus clientes, aumentando a demanda por consumo dos serviços e produtos.

Dinâmico

Organizações inteligentes são capazes de se adaptar as estruturas de custos e processos com flexibilidade para responder as mudanças externas e reduzir o impacto nos recursos financeiros e volatilidade na administração. Variabilidade acrescenta uma nova dimensão de dinamismo da empresa em toda a cadeia de seus processos. É significativo ter a capacidade de aumentar ou diminuir os recursos para a prestação de serviço rapidamente, junto à demanda e requisitos. Dinamismo é ter prestadores de serviço externos que respondem a mudanças na demanda e que ajudam a diminuir os custos fixos por meio de preços variáveis e da oferta.

 

Dinamismo ajuda a tratar a variabilidade financeira, as pressões pela redução de riscos pelos reguladores, acionistas, e clientes, o controle de custos, eficiência do capital e a previsibilidade financeira.

Dinamismo ajuda a aumentar as receitas por ter a infraestrutura pronta sob demanda (mas não necessariamente no balanço), de modo que a Organização cumpra sistematicamente suas responsabilidades, perante os clientes, estado e União. E, evita a posição estranha de ter que abrir mão de suas metas por deficiências em outras áreas. Ele melhora a margem pela redução de custos fixos, permitindo à Organização pagar apenas pelo uso real - não a disponibilidade – e reduz custos em todos os níveis e volume, especialmente os níveis mais baixos. Dinamismo reduz os requisitos de capital por proveito da capacidade dos fornecedores externos e otimiza o capital de giro criando flexibilidade das capacidades internas. E, mais importante, o dinamismo reduz o risco de investimentos em ativos ineficiente, reduzindo potencialmente à Organização de encargos da dívida, diminuindo a necessidade de financiar novos ativos e gerando uma maior previsibilidade financeira.

Resiliente

Organizações inteligentes podem resistir a "choques" devidos as mudanças inesperadas internamente, no estado, no país ou no mundo. Eles são preparados para as mudanças e ameaças - sejam elas econômicas, naturais ou políticas - e podem continuar operando com a disponibilidade adequada e segura.

 

A resiliência requer o compromisso de planejar e preparar-se para "choques" potenciais que poderiam afetar o funcionamento da Organização e a operação das suas unidades. Testes ajudam a determinar os limites da empresa e identificar áreas de fraqueza. Resiliência significa ter a capacidade de proteger os ativos humanos, físicos e virtuais. Trata-se de proteger os funcionários, fornecedores, parceiros e clientes. Resiliência constrói redundância em partes-chave do modelo operacional para ajudar a assegurar a continuidade, e determinar se os parceiros externos também estão preparados para mudanças e ameaças.

 

Resiliência melhora as margens através da redução custos de recuperação, por meio de processos, metodologias e tecnologias que aumentam a “imunidade” do sistema bancário. Resiliência ajuda a gerir o risco, reduzindo as interrupções dos processos bancários, proporcionando uma maior previsibilidade no desempenho e utilização de especialistas externos, que aumentam a resistência da Organização, através de sua capacidade de adequação de escala e distribuição de capacidades.