Imprensa‎ > ‎SCAINews‎ > ‎Ago2015‎ > ‎

Entrevista com Rodrigo Karpat especialista em cobrança

Entrevista com Rodrigo Karpat
Especialista em cobrança

No âmbito empresarial sempre existe a discussão das atividades que devem ser internas para a empresa ou que devem ser tercerizadas. Qual é sua posição sobre o departamento de cobrança da empresa. Quando devemos criar ou manter um departamento interno de cobrança e quando é melhor tercerizar-lo?


O departamento de cobranças é sempre uma preocupação para os gestores, pois muitas estruturas estão voltadas para a receita principal através do departamento de cobranças. Somado a isso, as estruturas são muito grandes, pois hoje se trabalha em grandes volumes, o que representa um custo imenso de folha e custos com otimização de processos. Assim, cada gestor, quando apto a avaliar, ou através de consultoria específica, precisa analisar a estrutura, receita, e proposito da empresa,  a fim de se chegar ao melhor formato. O qual poderá ser com mão de obra própria ou terceirizada.


Sr. Karpat, o fragilidade econômica do Brasil nós dias de hoje leva muitas empresas a ficarem inadimplentes. Quais são as estratégias que podem ser aderidas pelo fornecedor que foi prejudicado?  


O fornecedor deve avaliar antecipadamente a quem está fazendo a venda e saber se a empresa contratante tem condições de pagamento. Em momentos de crise, onde o cliente fica escasso, o fornecedor cai em armadilhas em função da necessidade maior de fazer a venda. A empresa precisa antecipadamente saber se quem busca os seus serviços terá condições de arcar com o custo, e se for para fabricação de um produto especifico, cobrar antecipadamente o valor para cobrir pelo menos os custos de produção. A formalização de um contrato, também é uma ferramenta importante para cobrar no caso de dívida.


Hoje qual é as melhores formas de me antecipar a problemas com possíveis clientes inadimplentes?  


Aferição de idoneidade de quem está comprando, consulta de cadastro em órgãos como Serasa, verificação de processos que pendem sobre os interessados, formalização de contrato, recebimento de parte do valor à vista a fim de custear a produção, entre outros, conforme caso prático.


Qual é o processo e quanto tempo demora rever dívida perante a clientes? Faz diferença se é PJ ou PF?


Vai variar de caso a caso. Não existe diferença entre PJ e PF, o que precisa ser verificado é se ambos tem condições de arcar com possível execução de uma sentença. Vemos muitos casos em que o cliente ganha na justiça mas o devedor já esvaziou o seu patrimônio há muito tempo e a ação para a  cobrança fica inócua.



Comments