Imprensa‎ > ‎SCAINews‎ > ‎Jun2014‎ > ‎

Entrevista Rodolfo Zabisky



O SCAI News conversou este mês com o CEO do Grupo Attitude, Rodolfo Zabisky, que faz uma análise muito interessante sobre a Gestão Estratégica do Relacionamento com Investidores, e explica como a comunicação pode ajudar nesse processo.

Zabinsky também fala sobre o andamento do programa Brasil+ Competitivo – uma iniciativa sua juntamente com outros empresários que já alcançou ampla adesão entre empresas privadas, além de escritórios de advocacia e de auditoria, entidades empresariais, de empreendedorismo e de educação renomadas, além de um seleto grupo de senadores.

O programa Brasil+Competitivo – que pode ser conferido na íntegra no site http://www.bmaiscompet.com.br/ - foi instituído pelo Projeto de Lei 6558/2013, de autoria do Deputado Otávio Leite (PSDB/RJ), e atualmente tramita na Câmara dos Deputados. Seu objetivo é fomentar o empreendedorismo, o aumento à competitividade empresarial e facilitação de acesso a capital privado de crescimento para Pequenas e Médias Empresas (PMEs). Veja o que diz Rodolfo Zabisky sobre tudo isso.

SN: Qual é a função institucional do departamento de relacionamento com investidor e qual o papel da comunicação nessa relação?

RZ: O profissional de Relações com Investidor tem duas missões fundamentais no exercício das suas atividades: (i) assegurar homogeneidade de projeções da companhia entre os analistas de sell-side (os analistas são formadores de opinião entre investidores e devem ter suas projeções o mais próximas possível uma das outras para redução do risco percebido e, por consequência, pênalti no preço da ação); e (ii) assegurar uma base acionária o mais adequada possível em função da história de investimento da empresa (base acionária se administra e a atração do investidor que valoriza a história de investimento da empresa impulsiona a criação de valor ao acionista – ou seja, o preço das ações). Assim, a função institucional desses profissionais é: excelência em administrar expectativas de analistas e excelência em vendas (identificação e atração do investidor mais apropriado para a empresa).

E como ele faz isso? Comunicando-se com esses stakeholders e obedecendo aos três princípios fundamentais desse processo, ou seja, (i) igualdade de tratamento; (ii) acesso à informação; e (iii) transparência.

SN: A iniciativa Brasil+Competitivo deve ajudar a mais empresas a terem acesso ao mercado de capitais. É possível cuidar dos interesses dos investidores e ainda assim simplificar as regras do jogo?

RZ: O Brasil+Competitivo solicitou ajustes à Comissão de Valores Mobiliários (CVM)  e à BM&F Bovespa, da seguinte forma: CVM: Ajustar regulamentação e criar condições para ofertas simplificadas de PMEs para investidores qualificados (oferta máxima R$250 milhões):

-        Aditar a ICVM480: (i) PME segue rito normal de pedido de registro de companhia aberta; e (ii) cria-se uma nova categoria de empresas (ex. Categoria C), com menos exigências para registro e compliance da PME → simplificação legal e menores custos; e

-        Desenvolver Nova Instrução de oferta para mercado de acesso: (i) permitir oferta sem registro e compliance pós-IPO menos complexo/custoso; (ii) restringir ofertas na Categoria C a investidores qualificados – QIBs (ex. regra 144ª e JOBS Act*); e (iii) permitir que fundos-PME possam listar suas cotas em Bolsa → liquidez (ex.: fundos imobiliários), e que fundos-PME possam também investir em FIPs (side pockets/ilíquidos).

BM&FBovespa: Ajustar regulamentação do segmento de listagem BovespaMais, de forma a democratizar acesso e incentivar preparação/compliance PME:

-        Ajustar BovespaMais: segmento para PMEs, tendo um grupo de consultores externos (“CE”) obrigatoriamente pelo tempo em que a empresa estiver listada no BovespaMais. A ME define se será Categoria C, apenas QIBs/Fundos-PME como investidores, ou se será Categoria A (alcançando também pessoas físicas); e

-        Considerar plataforma para melhorar liquidez: utilizando sistema “quote driven market making” (atual é “order-driven”). Eventual complementação de tecnologia pode requerer ajuste de regras para supervisão dos mercados (futuro).

Neste mês de junho, enquanto fechávamos a edição 06 do SCAI News, algumas mudanças aconteceram no andamento do programa, e as mais importantes foram:

a)   Mantega anuncia em 16/6 isenção de IR sobre ganhos de capital para pessoas físicas que investirem em ações de PMEs na Bolsa: para Rodolfo, essa medida ainda é considerada tímida, e os esforços em ampliar os benefícios devem continuar. Mais detalhes e comentários sobre essa medida estão em:

http://www.bmaiscompet.com.br/conteudo_pti.asp?idioma=0&tipo=44348&conta=45.

b)   Tramitação da Medida Provisória e do PL-6558/2013 no Congresso: assim que a medida provisória for encaminhada pelo Executivo, ela deverá iniciar tramitação no Congresso e acabará acontecendo certa consolidação com o PL-6558/2013 (que instituiu o Brasil+Competitivo e que aguarda votação na Comissão de Finanças e Tributação - CFT). Entendemos que haverá espaço para aperfeiçoamentos da Medida Provisória e é onde as propostas do PL-6558/2013 poderão ser aproveitadas.

SN: Qual são as regras propostas no projeto Brasil+Competitivo?

RZ: A figura abaixo resume as duas principais propostas do Brasil+Competitivo (para destravamento do mercado). Existem outras sugestões (como as acima mencionadas para CVM e BM&FBovespa, entretanto entendemos que elas são secundárias, ou seja, melhoram o ambiente mas não destravam o mercado de capitais como fonte de financiamento do crescimento empresarial)

Existe um documento (*disponibilizado para o SCAI NEWs – veja nos anexos ao final da matéria) que traz a íntegra do andamento no Congresso, inclusive parecer do relator da Comissão de Finanças e Tributação – CFT, que aguarda votação. É importante conhecer.

A parte educacional está em fase final de formatação e o primeiro “Fórum de excelência empresarial & diagnóstico de competitividade”, exclusivamente para presidentes/sócios de companhias, está programado para acontecer em julho, em São Paulo.

Rodolfo_imagem1.jpg

O processo para participação nos Fóruns e a participação de empresários segue algumas etapas:

Rodolfo_imagem2.jpg


SN: Como empresas e pessoas físicas podem dar seu apoio à iniciativa Brasil+Competitvo?

RZ:  Empresas que prestem serviços para o segmento de PMEs podem integrar a mobilização sem custos. Apenas preparamos e divulgamos um release de adesão, e adicionamos os dados da empresa no Portal. Atualmente são 199 integrantes e a relação completa você encontra no link:

http://www.bmaiscompet.com.br/conteudo_pti.asp?idioma=0&conta=45&tipo=44249 , assim como os últimos releases de adesões e apoio no link:

http://www.bmaiscompet.com.br/conteudo_pti.asp?idioma=0&conta=45&tipo=44171.

Como o assunto já está encaminhado no Congresso e com a liderança da CNI, teremos oportunidade de interação na parte Educacional (nos Fóruns acima mencionados).

Já as pessoas físicas não aparecem na relação de apoiadores (só empresas). Mas elas podem ter uma participação fundamental no encaminhamento de mensagens (e-mail e telefone) de apoio aos deputados que integram a Comissão de Finanças e Tributação – CFT, no sentido de externar  a importância do movimento e pedindo aprovação do Projeto de Lei 6558/2013. A relação completa dos deputados da CFT e dados de contato encontra-se no link:

http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cft/por-dentro-da-cft/membros

O SCAI News continuará acompanhamento o projeto, até pelo fato da SCAI Group ser uma das empresas associadas ao programa, e publicaremos sempre as novidades nesse espaço.

Confira a íntegra do PL 6.558/13


ą
daniel schnaider,
11 de jun de 2014 10:39
ą
daniel schnaider,
11 de jun de 2014 10:39
Ċ
daniel schnaider,
11 de jun de 2014 10:39
Comments